Sinalização para aerogeradores

A energia eólica é uma das fontes naturais de produção de energia em constante desenvolvimento, principalmente porque é renovável e inesgotável.

Contrariamente a outras fontes de energia, é uma "energia limpa” que não requer uma combustão que produza resíduos poluentes nem a destruição de recursos naturais.

Em 2009, a capacidade mundial de geração de energia eléctrica através da energia eólica foi de aproximadamente 158 GW, o suficiente para abastecer as necessidades básicas de dois países como o Brasil.

Para se ter uma ideia da magnitude da expansão desse tipo de energia no mundo, em 2007 a capacidade mundial foi de cerca de 59 GW e, em 2008 120 GW. 

Portugal tem apostado nesta fonte de produção de energia encontrando-se entre os primeiros produtores mundiais, mesmo em termos absolutos:

segundo dados de 2008, Portugal tinha 342 aerogeradores, ocupando assim o 17º lugar a nível mundial e à frente de países como a Áustria (221), Bélgica 
Mas atenção...
Só no 1º semestre de 2010 foram ligados 109 aerogeradores, tendo sido inaugurado, no Minho, um dos maiores parques eólicos do mundo.

Os parques eólicos existentes em Portugal são responsáveis por uma quota-parte importante na produção de energia, contribuindo, no 1º semestre de 2010, com cerca de 18% do consumo de energia total, o que corresponde a uma produção
de 4740 GWh.

Comparando com o período homólogo de 2009, isto representa um aumento de 49%!(52), Brasil (72), Marrocos (84), Noruega (27), Polónia (169), Turquia (90), entre outros.

Os aerogeradores são equipamentos destinados à produção de energia eléctrica que pela sua dimensão, complexidade e custo deverão observar condições especiais de segurança em toda a sua vida útil.

Essas medidas de segurança deverão ser aplicadas em todas as seguintes fases:

  • Produção dos aerogeradores
O movimento e a suspensão de peças de grandes dimensões, a aplicação de materiais compósitos e a utilização de sistemas de soldadura são factores de risco que deverão ser equacionados e prevenidos pela empresa construtora dos aerogeradores.

  • Transporte dos aerogeradores
O transporte, desde a fábrica até ao local de instalação, que pode estar a milhares de quilómetros de distância e que pode implicar meios rodoviários, ferroviários ou marítimos, obriga a uma logística muito complicada, com recurso a meios excepcionais de transporte e que devem prever também medidas excepcionais de segurança.

  • Instalação dos aerogeradores
A localização dos aerogeradores deverá potenciar a maximização da sua produção de energia.
Por esta razão, a sua localização é normalmente efectuada no cume de montanhas, são, em geral, locais isolados e difícil acesso

A montagem destes equipamentos, além de demorada, requer a utilização de meios complexos em todas as suas fases de instalação, onde o risco é permanente.

Extremar todas as medidas de segurança para precaver esses riscos deverá ser considerada uma prática usual por todos os intervenientes nestas operações.

  • Manutenção dos aerogeradores
Embora estes equipamentos sejam monitorizados remotamente, a sua isolada localização tem como consequência que qualquer acidente, especialmente um incêndio, provoca a sua destruição catastrófica.

A obrigação de instalações automáticas contra incêndio, seja na detecção, seja na extinção, é já uma prática regular exigida por alguns países e, principalmente, por algumas companhias seguradoras que se recusam a segurar estes equipamentos, caso estes meios de protecção contra incêndios não estejam previstos.

A importância de um sistema eficaz na protecção contra incêndios revela-se, pois, um investimento menor no custo total destes equipamentos.

Também os acidentes de trabalho relacionados com a instalação ou manutenção dos aerogeradores, apesar de raros, são na maioria das vezes fatais. Normalmente são causados por quedas, tendo a agravante do elevado tempo de intervenção dos serviços de socorro, devido à sua localização remota.

Um estudo norte-americano revela que entre 1975 e 2006 ocorreram 39 acidentes fatais, sendo a maior parte provocada por quedas, na instalação e/ou na manutenção. A maior concentração desses acidentes verifica-se já neste século.

É também evidenciado nesse estudo que esta alta percentagem de ocorrências fatais não é de surpreender. Deve-se, por um lado, ao pouco rigor que existia na recolha de informação no século passado, e, por outro, ao aumento da procura que esta fonte de produção de energia teve nas últimas décadas.

Todavia, nesse estudo é revelado um acidente fatal que pela sua peculiaridade merece ser relatado...


Em 1994, na região de Pipeston, nos E.U.A., um trabalhador morreu quando um pedaço de gelo se desprendeu de uma das pás de um aerogerador, cortando-o a meio.

A acumulação de gelo nestes equipamentos é uma consequência directa das condições meteorológicas (especialmente no Inverno) a que os aerogeradores estão sujeitos.

Quando o aerogerador está em funcionamento, a acumulação de gelo não é significativa pois é normalmente eliminado da turbina, devido à gravidade, às forças mecânicas das lâminas rotativas e à vibração natural provocada pelo vento. 
Contudo, quando está estacionário, o gelo acumula-se e pode soltar-se devido a um aumento na temperatura ambiente, ao vento, ou à radiação solar o que pode ocasionar a queda de fragmentos, tornando a área envolvente numa zona de risco.
Além disso, se as condições meteorológicas forem extremas, quando o aerogerador é posto em funcionamento, pode impulsionar fragmentos de gelo acumulado a alguma distância da turbina, até várias centenas de metros.

A queda de gelo pode causar danos às estruturas e veículos, e ferimentos nas equipas de manutenção ou no público em geral, pelo que é fundamental informar sobre as medidas de segurança adequadas, visando a protecção desse risco.

O catálogo Sinalux contém muitos dos sinais que deverão ser instalados para prevenir todo o tipo e riscos nas duas primeiras fases de vida útil dos aerogeradores (construção e transporte).

Contudo, a Sinalux, ciente das medidas especiais de segurança a que estes equipamentos deverão estar sujeitos, na instalação e especialmente na manutenção, desenvolveu um conjunto de sinais específicos e que foram apresentados numa adenda ao catálogo na última edição do Segurex.
Esses sinais informam, alertam, proíbem e obrigam à adopção de comportamentos, contribuindo assim para o incremento e eficiência dessas medidas de segurança.

Tendo em conta que esta sinalização não é só para instalar nos aerogeradores mas também nos parques eólicos, foi desenvolvida segundo os seguintes critérios:

Sinalização exterior - Sinais compostos opacos (opção por base em fotoluminescente na altura de efectuar o pedido) com base em PVC e/ou alumínio que será instalada nas entradas dos parques eólicos, seja na fase de instalação (estaleiro), seja na fase operativa (identificação do aerogerador).

Na aplicação destes sinais está prevista a utilização de sistemas de fixação, como por exemplo o uso de parafusos (caso seja necessário um poste para instalar o sinal, consulte a pág. 187 do catálogo Sinalux).

Sinalização interior - Sinais em vinil fotoluminescente auto-adesivo para instalação no interior do aerogerador. Dado que se pretende identificar os riscos inerentes aos trabalhos de manutenção e como essa manutenção pode ser efectuada por equipas multinacionais, os textos que suportam os pictogramas foram desenvolvidos em duas línguas (português e inglês).

Houve o especial cuidado de pensar num material base que dispensasse o aparafusamento uma vez que qualquer furo, nestes equipamentos, poderá comprometer a estrutura dos mesmos.
Sinais magnéticos - Foi estudada uma base magnética para sinais que identificam os riscos inerentes aos trabalhos de manutenção temporários.
Esta sinalização, que é adaptada aos requisitos específicos de instalação a que estão sujeitos todos os materiais aplicados nestes equipamentos, foi desenvolvida com base na legislação existente e com o objectivo de transmitir uma informação universal, pelo que utiliza pictogramas específicos destes equipamentos acompanhados de textos bilingues.
A Sinalux, que se identifica com os todos os objectivos que contribuem para o crescimento deste sector de actividade - Segurança, Qualidade e Protecção do Meio Ambiente - inicia, assim, um novo capítulo na sinalização de segurança que terá tendência a crescer.

Do mesmo modo, como está atenta a este fenómeno, que é transversal a diversos mercados internacionais, tentará estar presente em todos os comités e grupos de trabalho (sejam nacionais ou internacionais) que se proponham a estudar a segurança nos aerogeradores e nos parques eólicos.

Desta forma, convidamos todos os leitores a participar com as suas opiniões, dúvidas, e perguntas, enviando um e-mail para comercial@sinalux.pt
voltar